Os esforços dos EUA para minar a influência de Chavez 

Por Maria Luisa Rivera, do WikiLeaks

No dia 15 de junho de 2007 o embaixador americano no Chile, Craig Kelly, escreveu uma lista secreta de estratégias para minar o poder político do presidente venezuelano Hugo Chavez no continente.

“Conheça o inimigo: nós temos que entender melhor como Chavez pensa e o que ele pretende; –Engajamento direto: temos que reforçar nossa presença na região e nos aproximar fortemente, em especial com as “não-elites”; –Mudar o cenário político: Devemos oferecer uma mensagem de esperança e apoiá-la com projetos financiados adequadamente;  –Aumentar as relações militares: Nós devemos continuar a fortalecer os laços com esses líderes militares na região que compartilham as nossas preocupações sobre Chavez”, resumiu.

Kelly  propõe ainda reforçar as operações de inteligência na America Latina para entender melhor os objetivos de Chavez a longo prazo, e pressionar os vizinhos a se voltarem contra ele, por exemplo, excluindo a Venezuela de acordos de livre comércio.

Kelly, que acabou de se aposentar como o número dois para temas do hemisfério ocidental no Departamento do Estado, reconheceu no seu telegrama que “Chavez conseguiu muitos avanços, em especial para as populações locais, ao fornecer programas para os desprivilegiados”.

Mas também disse que o venezuelano tem uma visão “distorcida” e que “a boca de Chavez frequentemente se abre antes que o seu cérebro esteja funcionando”. Kelly recommenda a Washington simplesmente dizer “ a verdade” sobre Chavez e “a sua visão estreita, suas promessas vazias, suas relações internacionais perigosas, começando pelo Irã”.

Mesmo assim, o documento alerta que Chavez tem que ser levado a sério. “Seria um erro considerar Chavez apenas um palhaço ou um caudilho. Ele tem uma visão, mesmo que deturpada, e está tomando medidas calculadas para conseguir”.

Para ele, países pobres como o Uruguai não conseguem resistir às ofertas de ajuda do Venezuelano. A Argentina, depois da crise, também teria sido vítima dos “petrobolívares” de Chavez.

Passo a passo

Para reduzir a sua influência nos temas regionais, Kelly propõe que o Brasil e o Chile sejam estudados como “países que têm governos esquerdistas mas são democráticos e responsáveis na política fiscal”. Também sugere que os EUA ameacem reduzir o comércio como os países sulamericanos se a Venezuela conseguir ingressar no Mercosul.

O telegrama mostra como a diplomacia americana propõe desestabilizar o poder de Chavez internamente.

Kelly recomenda usar “a diplomacia pública” para vencer o que seria uma “batalha de idéias e visões”. Além disso, diz ele, vale explorar o medo de lideres anti-chavistas e formadores de opinião que “apreciam a importância da relação com os EUA”

Visitas do alto escalão americano, como a de Bush em março de 2007, também podem ajudar o país a se aproximar das populações dos países hostis aos EUA. “Mostrar nossa bandeira e explicar diretamente para as populações nossa visão de democracia e progresso pode mudar a visão sobre os EUA”.

Usando os militares

Outro dado interessante é que Kelly recomenda aumentar o financiamento para programas de parceria militar como o Military Education and Training (IMET) e Commander Activities (TCA).

Para ele, os militares latinoamericanos ainda são vistos como aliados, por causa da sua admiração ao poderio militar dos EUA.

“Os militares do cone sul continuam sendo instituições-chave nos seus respectivos países, e aliados importantes para os EUA. Esses militares geralmente são organizados e tecnicamente competentes. O seu desejo de manter a interoperabilidade e o acesso à tecnologia e treinamento americanos são algo que podemos usar em nosso favor”, diz o documento.

Ele também recomenda o corte de financiamento de outros programas, o que estaria sendo usaodo como uma retaliação à recusa dos países de assinar o Artigo 98, um contrato que impede cidadãos americanos de serem extraditado à Corte Penal Internacional se estiverem nesses países.

Anúncios

9 Respostas para “Os esforços dos EUA para minar a influência de Chavez 

  1. As artimanhas norte americanas são sempre as mesmas mas cada vez fazem menos efeito.

  2. “são algo que devemos usar em nosso favor”; ora, pelo amor de Deus, em política internacional cada um cuida do seu. Se vire meu caro, aqui é briga de cachorro grande…O Johnbin entregando…

  3. Prezada Natália Viana,
    Parabéns pela iniciativa. Apesar do esforço, tenha em mente que seu trabalho está iluminando a consciência crítica da nossa sociedade, manipulada por décadas pelas agendas externas. Seria como, com uma simples chama, acender milhões de lampiões. E, estes lampiões, são os que não esquecem que precisamos, como país, deixar “de falar fino com Washington e falar grosso com a Bolívia” (CBH, 2010). Nem o contrário é válido. Devemos falar fino ou grosso não pela régua do poder. Mas pela régua da justiça!
    Um abraço e continue seu grande trabalho.
    Ricardo

  4. Pingback: Ao vencedor, as batatas » M.L. Rivera: os esforços dos EUA para minar a influência de Chavez

  5. Você notaram como os EUA confiam em seus subordinados na América Latina? Não é à-toa que aqui na nossa redcastorphoto eles são tratados como MILICANALHAS…
    cf

  6. Agora seu Lula está apoiando o VIQUILIQUES e esse rapaz que está aí, como é o nome?…

  7. Tudo isso já sabiamos, mas o WikiLeaks é bom exatamente por causa disso..
    Agora eles não tem como negar..

    Parabéns Natalia, estamos todos juntos e acompanhando seu trabalho.

    Continue assim.

  8. João Rodrigues

    Sinceramente, o povo tem o poder nas mãos e temos que ter conciência que o poder emana do povo.
    Fico particularmente irritado quando sei que o povo ainda fica com os olhos assitindo a Globo ou lendo jornais como a folha de São Paulo.
    “O povo não pode ter medo dos Governos, mas os Governos é teém que ter medo do povo”
    -Usando todo o poder da sociedade contra a Nova Ordem Mundial-

  9. Pingback: Tweets that mention Os esforços dos EUA para minar a influência de Chavez | Natalia Viana -- Topsy.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s