Um “recado” a quem apoia o WikiLeaks

Mal começa o ano, e a primeira grande notícia em relação ao WikiLeaks é que o governo americano decidiu apertar o cerco contra colaboradores da organização.

Uma ordem expedida pela justiça do estado da Virgínia em 12 de dezembro de 2010 exigiu ao site Twitter entregar ao governo americano informações sobre 5 usuários, incluindo: endereço, telefone, emails, histórico de uso, incluindo horários, IP dos computadores usados, e meios de pagamento de serviços pagos, como informações sobre as contas em bancos ou cartões de crédito.

Para ver em PDF a liminar a da justiça, clique aqui. A ordem foi mantida em segredo até o dia 5 de janeiro, quando outra ordem judicial determinou a sua publicação por ser “de interesse da investigação”. Veja essa ordem aqui.

Além de Julian Assange e de Bradley Manning – o jovem analista de inteligência do Exército acusado de vazar milhares de documentos para o WikiLeaks – também são objeto da ação uma deputada da Islândia, Brigitta Jonsdottir, e um hacker holandês chamado Rop Gonggrijp.

Eles teriam sido voluntários na “produção” do primeiro vídeo sobre o Iraque postado este ano pelo site. O vídeo mostrava um helicóptero Apache da força aérea dos EUA matando civis e jornalistas em Bagdá.

“Não é só sobre minha informação”, afirmou a deputada Brigitta Jonsdottir. “É um aviso a qualquer um que tenha tido qualquer coisa a ver com o WikiLeaks. É totalmente inaceitável que o departamento de Justiça do EUA estenda seus músculos dessa maneira. Eu tenho sorte, sou uma representante do parlamento. Mas e as outras pessoas? É minha obrigação fazer o que puder para parar com esse abuso”.

Agora, o WikiLeaks quer que o Google e o Facebook tornem público qualquer ordem semelhante que tenham recebido. A organização acredita que essas empresas receberam a mesma ordem.

Dá medo. A ordem judicial mostra como a empreitada americana não se limita ao grupo que faz parte do WikiLeaks, mas também a quem ousa colaborar com essa iniciativa. É no mínimo uma intimidação velada.

Além disso, a ordem expõe que a internet está longe de ser um território livre e seguro a iniciativas ousadas. É uma arena dominada por empresas americanas suscetiveis a variados tipos de pressão. Um a um, os sites e empresas mais populares estão tendo que se curvar à obstinação americana de punir o WikiLeaks pelo serviço público que tem prestado.

Anúncios

4 Respostas para “Um “recado” a quem apoia o WikiLeaks

  1. giovani montagner

    não me intimidarão!

  2. O que está a ser pretendido é muito mais lacto do que só os Wikileaks.
    São formas de criar grande instabilidade na Net. “eles” estão aflitos, porque “eles” estão a ser expostos pela Net. Só falta a Net, os outros órgãos de comunicação já estão censurados e controlados

    http://artedeomissao.wordpress.com/2011/01/09/addendum-legenda-em-portugues/

  3. Viva a democracia made in USA – agora eles usarão todos os recursos para calar a verdade, através de seus braços espalhados pelo mundo!
    Enquanto isso nossa mídia nefasta nada faz a não ser seguir as regras do patrão, pobre imprensa brasileira – com tantas verdades sendo esclarecidas, os manipuladores mundiais agora querem apagar a história de suas ações terroristas e assassinas!

  4. Mostra mais que isso, que eles não tem medo sequer de mexer com políticos da outros países.

    http://www.lastfm.com.br/group/WikiLeaks+BR

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s