Almoço com Valenzuela serviu de fórum para tucanos

Por Marcus V F Lacerda

Além do encontro entre José Serra e Arturo Valenzuela, a escala não oficial do subsecretário para Assuntos do Hemisfério Norte ainda contou com um almoço promovido pelo cônsul-geral. Estiveram presentes diversos especialistas em política e economia.

A grande maioria deles, ligados ao PSDB. Dentre eles dois ex-ministros de Fernando Henrique Cardoso: Celso Lafer (ex-MRE) e José Goldemberg (ex-MCT). “Todos os convidados criticaram a política externa do governo Lula, levantaram preocupação com a radicalização crescente do PT e sublinharam preocupação com a deterioração das contas públicas”, descreve o telegrama de 29 de dezembro de 2009.

“A postura do Brasil ante o Irã é o maior engano da política externa de Lula”, sentenciou Lafer em consonância com o recado dado por Hillary Clinton dias antes alertando países da América Latina de consequências na relação com o Irã e que o Brasil deveria levar esta postura a sério. No almoço, Arturo Valenzuela enfatizou que a relação com o governo de Lula seria uma forma de Ahmadinejad disfarçar sua falta de cooperação e impopularidade na comunidade internacional.

O físico nuclear José Goldemberg criticou a posição brasileira na Conferência Climática de Copenhagen (COP-15) satirizando-a como se ela tivesse sido elaborada duas semanas antes do encontro. “Países mais influentes deveriam encontrarem-se em grupos menores”, aconselhou o cientista. Em particular com um encarregado do consulado americano, José Goldemberg que nós não temos o que oferecer a Teerã em termos de combustíveis nucleares e que a capacidade de centrifugação deles já superaria a do Brasil.

Outro crítico à relação brasileira com o Irã foi o então vice-presidente do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), Roberto Teixeira da Costa. De acordo com o economista, a relação entre Brasília e Teerã é questionável uma vez que a pauta comercial entre os dois países é pobre e uma cooperação em usos civis na área nuclear seria improvável.

Além de tratar sobre a relação Brasil-Irã, Teixeira da Costa expôs preocupação com as contas públicas. Para ele, apesar do otimismo no Brasil, o mercado poderia ter alguns tropeços em vista da situação internacional. Seu sócio na agência de consultoria Prospectiva, Ricardo Sennes, levantou a mesma preocupação com as contas públicas. “Ainda falta competitividade ao Brasil depois desses dois mandatos de Lula. Falta infraestrutura, carga tributária alta e políticas de trabalho rígidas”, listou Sennes.

Participaram ainda do almoço, o cientista político Bolivar Lamounier e o ombudsman do jornal Folha de São Paulo, Carlos Eduardo Lins da Silva. Ambos focaram-se mais na possibilidade de um PT mais radical no caso de chegarem ao poder outra vez. Lins da Silva, observou o poderio financeiro adquirido pelo partido ao longo dos últimos anos. “Se não elegerem o presidente, eles teram dinheiro o bastante para causar muitos problemas como oposição”, teria dito o jornalista.

Anúncios

O embaixador, o PSB e os nanicos

por Marcus V F Lacerda

Telegramas revelados pelo WikiLeaks mostra que, antes da campanha presidencxial de 2010,  integrantes do PSB conversaram com os representantes americanos.

Em conversa com diplomatas, o governador pernambucano Eduardo Campos do PSB, confirmou presença em um encontro entre Lula, Dilma, Ciro Gomes e outros membros do partido que aconteceria pouco antes da convenção do PT dali a 4 meses. Nesta reunião, o PSB decidiria se desistiria da campanha de seu candidato próprio, Ciro Gomes em favor de Dilma.

No mesmo telegrama, de 9 de dezembro de 2009, outro membro do PSB, o também pernambucano Fernando Bezerra Coelho, considerava Ciro Gomes um forte candidato. Segundo ele ainda, uma coalizão de apoiadores de Ciro poderiam forçar apoio de Lula no caso de Dilma ainda estar em desvantagem a um terceiro candidato. “O governador Eduardo Campos é mais próximo de Lula. Provavelmente ele seria este candidato”, confabulou Bezerra Coelho

Parte do partido, como o senador capixaba Renato Casagrande, do PSB apoiava Ciro Gomes. A diplomática e aquecida disputa entre PT e PSB girava em torno de PP, PDT e PC do B, que somados possuiam pouco mais de 100 cadeiras na Câmara. No entanto, o partido aliado ao governo poderia apoiar um candidato tucano. “Se Aécio Neves lançar-se candidato, a maioria do partido vai apoiá-lo e desistir da campanha de Ciro”, garantiu Casagrande.

Renato Casagrande já fazia movimentos junto aos partidos menores a fim de fortalecer a campanha de Ciro.  “A negociação tem sido mais avançada com alguns partidos que com outros”, comentou o político.

Um político do PP não identificado na mensagem já estava advogando a favor de Ciro dentro de sua legenda para que esta cedesse seu tempo de TV no horário eleitoral ao candidato do PSB. Para o contato dos americanos no maior dos partidos nanicos, Ciro Gomes estaria em excelente posição para ganhar os votos do PT de Pernambuco e Ceará (confundido pelos americanos pela capital do estado, Fortaleza) e tirar vantagem da fraqueza do PT na Bahia. “A maioria do partido prefere Ciro, mas ainda não se sabe a repercussão de se romper com Lula”, diagnosticou o contato no PP.

Citado como “deputado do PDT do estado de Goiás”, outro contato da
embaixada nos partidos nanicos mostrou-se favorável à idéia do
candidato para concorrer contra PT e PMDB. Fato interessante: dentre
os deputados goianos na última eleição, nenhum era do PDT.

Wikileaks: Para cônsul, crise econômica e eleições ampliaram influência de sindicatos no Brasil

Do Futepoca

Na análise da estrutura diplomática dos Estados Unidos no Brasil, os sindicatos viram sua influência crescer nos oito anos de governo de Luiz Inácio Lula da Silva. A superação da crise econômica de 2008-2009 e a perspectiva das eleições presidenciais indicavam expansão dessa ascendência, ainda na visão dos estadunidenses em missão no país.

Em telegrama do quinto lote vazado pelo Wikileaks para blogues, Thomas White, cônsul-geral dos Estados Unidos em São Paulo, relata encontros entre Ron Kirk, representante comercial do governo Barack Obama, e membros de sindicatos e centrais sindicais. O documento é datado de 13 de outubro de 2009, pouco menos de um mês depois da visita de Kirk ao país, em 16 de setembro.

Apesar dos atuais desafios econômicos globais e de uma rodada de greves recentes nos bancos, indústria automotiva e nos Correios, o sentimento expresso pelos sindicalistas no contato com Kirk e em reunião posterior (de follow-up) no consulado, demonstrou que, sob o governo Lula os sindicatos organizados tiveram sua voz sendo ouvida em questões sociais, políticas e econômicas. “À medida que o Brasil sai da crise econômica e move-se para eleições nacionais em 2010, os sindicatos terão maiores oportunidades para expandir sua influência”, diz o texto.

Quem participou da reunião, na ordem elencada pelo telegrama, foi

  • Ivan Gonzalez, coordenador político da Confederação Sindical das Américas (CSA) – à qual são filiadas CUT, Força Sindical e UGT
  • Braz Agostinho Albertini, presidente da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de São Paulo (Fetaesp)
  • Joao Carlos Goncalves, o Juruna, secretário geral da Força Sindical
  • Ortelio Palacio Cuesta, secretário de assuntos internacionais da Força Sindical
  • Lourenco Ferreira do Prado, vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT)
  • Caninde Pegado, secretário Geral da UGT
  • Maria Silvia Portela de Castro, assessora internacional da CEntral Única dos Trabalhadores (CUT) – “Sole Center of Workers”, na tradução livre; e
  • Brian Finnegan, diretor para o Brasil do Centro de Solidariedade da AFL-CIO.

Protecionistas mas limpinhos
A imagem não é fácil de ser imaginada, sindicalistas na mesma mesa com um representante comercial dos Estados Unidos. Sem nenhuma reivindicação nem qualquer belicosidade no ar. Mas é assim que é descrito o encontro.

Os sindicalistas no Brasil têm, na definição de White, “visões protecionistas/pró-política industrial”. No entanto, ainda segundo o cônsul, eles mostraram-se dispostos a encontrar e se envolver com o representante comercial – “um sinal que vemos como positivo”, relata White.

Na perspectiva da embaixada, o contato entre o membro do governo dos EUA e os sindicalistas foi quase toda positiva, com exceção de algumas demandas por saber mais sobre a política de Obama para a área comercial.

De olho na cana
A inclusão do representante da Fetaesp, um dos sindicatos relacionados a trabalhadores rurais do setor sucroalcooleiro, pode indicar interesse comercial dos Estados Unidos sobre a questão. As denúncias internacionais de superexploração dos boias-frias são motivo de preocupação dos usineiros, a ponto de a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Única) ter assinado um protocolo com garantias de fim da intermediação de mão de obra.

O etanol produzido do milho é um concorrente internacional do obtido a partir da cana. O impacto social do cultivo da cana (além do dano relacionado às queimadas para permitir a entrada dos trabalhadores no corte) sempre aparece entre os aspectos negativos do álcool combustível produzido no Brasil. Em telegrama divulgado anteriormente, há menção à informalidade na contratação dos boias-frias.

No telegrama em questão, relata-se que Albertino considera que a forma preferida por empregadores para a remuneração, o pagamento por peso cortado – e não por hora trabalhada –, é um dos vilões. O texto cita leis estaduais e acordos entre usineiros comprometendo-se a mecanizar toda a produção até 2014 e a consequente onda desemprego de trabalhadores de baixa qualificação profissional.

“Expressando a frustração de alguns dos cortadores (de cana), ele (Albertino) reclamou: ‘há mais leis regulando a proteção dos animais criados na pecuária do que dos cortadores de cana'”, completa o cônsul.

Parceria
No final da conversa, tanto Juruna quanto Silvia Portela teriam cogitado a possibilidade de a estrutura consular dos EUA oferecer, em algum tipo de parceria com os sindicatos ou com as centrais sindicais, cursos de inglês ou programas de intercâmbio para jovens em cursos profissionalizantes. Nenhuma resposta consta no documento. Mas mostra que o pessoal não perde tempo.

Wikileaks: Bolsa Família é “quase direito sacrossanto” no Brasil, diz telegrama

Do Futepoca

O programa Bolsa Família virou parte da infraestrutura da política brasileira, “quase um direito sacrossanto” no debate eleitoral, segundo a análise da embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Em telegrama assinado por Lisa Kubiske, ministra conselheira da embaixada, o programa Bolsa Família é analisado, para discutir sua eficiência e seus impactos políticos, econômicos e sociais.

O documento é apenas um do quinto lote de telegramas vazados do Wikileaks para blogues, cujo recorte é Eleição 2010. São 23 mensagens, de 2009, ocupando 51 páginas. Da articulação de alianças à crise no Senado, quando José Sarney (PMDB-AP) foi bombardeado por denúncias envolvendo a fundação que leva seu nome e os atos secretos na Casa, tem história a rodo.

“Independentemente da habilidade ou do desejo do Brasil de enfrentar as condições degradantes que atingem a população pobre do país, o Bolsa Família é politicamente popular e, como resultado, nenhum candidato na eleição presidencial do próximo ano (2010) vai se dispor a mudá-lo”, previa a funcionária em 2009. “O programa parece ter se tornado uma parte permanente da infraestrutura política do Brasil – quase um direito sacrossanto – assegurando que está aqui para ficar”, completa.

O conjunto exposto é embasado em dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) – aquele aparelhado ideologicamente pela esquerda, sabe? – e do Banco Mundial, além de quatro conversas-entrevistas. Neste último grupo, os interlocutores citados foram o economista da Fundação Getúlio Vargas, Andre Portela Souza, a coordenadora da Fundação Tide Setubal Paula Galeano, Alexandre Marinis, colunista da Bloomberg no Brasil sobre política econômica, e um assistente social não nominado. Bem mais embasado do que a média dos telegramas (que faz relatórios do que sai na mídia) e até do que muita reportagem que se lê por aí.

Datado de 1º de setembro de 2009, o texto cita avanços do país na redução da desigualdade, com a melhoria do coeficiente de Gini, mas também alguns desafios. Além de questões operacionais, como garantir que as crianças das famílias atendidas estejam, de fato, matriculadas em escolas, há a qualidade do ensino. A evidência para trazer o tópico no telegrama é um estudo do Ipea, com base em dados do escritório no Brasil do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que conclui que a pobreza teria sido diminuída em apenas três pontos percentuais (de 25% para 22%) se o programa tivesse sido implantado há 30 anos.

A necessidade de uma “reforma educacional” é apresentada como um imperativo para o Brasil. Os detalhes ou direções dessas mudanças não são desenhadas pelos diplomatas – nem, tampouco, nenhum “interesse americano” aparece citado no caso (ufa!). Mudanças promovidas pelo Ministério da Educação estariam buscando a melhoria da qualidade, diante da inclusão de crianças antes marginalizadas.

Apesar de citar estudos que apontam pouca evidência de que o programa estivesse ajudando a reduzir o trabalho infantil, o telegrama dá crédito a empregadores do setor de cana-de-açúcar de Pernambuco e Alagoas (usineiros) que dizem estar difícil contratar boias-frias, que prefeririam ganhar o Bolsa Família a trabalhar. Quer dizer, corrobora a ideia (em grande medida preconceituosa) de que o programa cria grupos avessos ao trabalho, devido a seu caráter assistencialista ou algo assim. Isso se choca com o teor da própria exposição de todo o telegrama, que não toma a política pública como tal. Mas está lá.

O resumo da análise:
“O Bolsa Família melhorou as condições de vida cotidiana para os brasileiros mais pobres. A transferência de renda, no entanto, não vai resolver os significativos problemas estruturais – principalmente o fraco sistema público de educação – que continua a prejudicar objetivos de mobilidade e oportunidade sociais e econômicos de longo prazo. O PBF também sofre de desafios operacionais que podem ser mais facilmente resolvidos, incluindo: construir um registro mais completo, criar um sistema de gerenciamento moderno e mais adequado, e eventualmente propor uma estratégia de saída para os beneficiários. No entanto, para avançar nas metas chave do PBF em longo prazo de ascensão social, uma reforma educacional aparece como uma necessidade crítica.”

Serra “buscaria uma política externa mais afinada com os EUA”

Por Marcus V F Lacerda e Natalia Viana

Em 18 de dezembro de 2009 o então governador de São Paulo José Serra encontrou-se durante 90 minutos no palácio do governo com o subsecretário para assuntos do hemisfério ocidental do governo americano, Arturo Valenzuela. Serra já era já cotado para ser candidato tucano à presidência em 2010, mas ainda não havia formalizado a candidatura.

Valenzuela saiu do encontro privado com a impressão de que Serra seria um presidente mais afeito aos EUA. “Serra alertou que a corrupção e a radicalização estavam crescendo no partido governante, o PT, e sugeriu que como presidente iria pressionar por uma política externa mais alinhada com os Estados Unidos”, diz o telegrama enviado pelo consulado em São Paulo.

O político tucano criticou a política externa de Lula e propôs-se estar numa posição mais internacionalista caso fosse eleito, criticou a tarifa americana sobre o álcool brasileiro julgando-a “economicamente ilógica” e destacou seu engajamento com o então governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, nas questões climáticas como uma das oportunidades de cooperação.

Serra criticou a participação de Lula na crise em Honduras, responsabilizando o governo brasileiro e o presidente hondurenho deposto Manuel Zelaya de impedirem a resolução do problema.

Sutilmente, Serra deu a entender que os EUA faziam mal ao elogiar Lula. “Ele também avisou que as referências do governo americano a uma ‘relação especial’ com o presidente Lula não agradam a todos os segmentos do Brasil e que poderiam ser manipuladas pelo PT”, diz o telegrama.

Desinformado

Depreende-se do documento, no entanto, que Valenzuela achou que Serra  estava focado demais na política interna brasileira sem prestar a devida atenção aos vizinhos na América do Sul.

A conversa aconteceu pouco menos de um mês depois do chileno assumir a subsecretaria de Assuntos do Hemisfério Ocidental, cargo anteriormente ocupado por Thomas Shannon e que coordena as relações dos EUA com América Latina, Caribe e Canadá. “A presidente Kirchner é esperta e cordial. Se o populismo na Argentina preocupa aos EUA, então Dilma causará preocupação maior”, comparou o candidato tucano à presidência.

Valenzuela visitou países do Cone Sul e na volta aproveitou para fazer uma escala em São Paulo onde realizou uma série de encontros extra-oficiais.  “Serra pareceu completamente desinformado de acontecimentos recentes no Cone Sul, incluindo a situação política do presidente paraguaio Lugo”, comentou o telegrama fazendo menção à série de reconhecimentos de paternidade atribuídas ao ex-bispo.

Preocupado com a derrota

José Serra deu a entender a Arturo Valenzuela não estar “firmemente confiante” que fosse ganhar as eleições de 2010. Segundo o tucano, o embate entre os esforços do PT em montar uma base política sólida e o fraco aparato do PSDB justificavam tal descrença.

“O Brasil atinge níveis de corrupção nunca vistos enquanto o PT e seus aliados montam uma máquina eleitoral usando dinheiro público”, teria dito Serra ao subsecretário Valenzuela.

Eleições 2006: Oposição manteve maior contato com diplomatas

Por Marcus V F Lacerda

Dentre os políticos brasileiros que tiveram contato com os diplomatas dos EUA, os do PSDB são os mais assíduos com 6 tucanos aparecendo em encontros. Além dos secretários paulistas Andrea Matarazzo (06SAOPAULO676) e Fernando Braga (06SAOPAULO935), estão figuras ilustres entre Tasso Jereissati (06BRASILIA1837), Aloysio Nunes (06SAOPAULO400), Sérgio Guerra (06SAOPAULO1963) e o então recém-eleito governador de São Paulo, José Serra com o próprio embaixador americano Clifford Sobel (06SAOPAULO1131).

O único pessedebista que aparece mais de uma vez nos telegramas é o secretário de Ciência e Tecnologia e seu coordenador de campanha, João Carlos Meirelles. Entre março e outubro de 2006, Meirelles estabeleceu 4 contatos com diplomatas americanos (06SAOPAULO316, 06SAOPAULO647, 06SAOPAULO810, 06SAOPAULO1069).

Além dos políticos do PSDB, foram também contatados pelos americanos nomes ligados ao partido como o tributarista Raul Velloso (06BRASILIA608), um dos acadêmicos da área econômica com quem Alckmin buscava conselhos. Outro nome ligado ao partido tucano é o de Christian Lohbauer (06SAOPAULO387) que foi secretário-adjunto de Relações Internacionais de Serra e na época do encontro foi identificado como lobista do setor aviário.

A decisão do partido entre Serra e Alckmin é analisada pelos americanos em um telegrama. A suspeita de uso de dinheiro público no financiamento da campanha de Alckmin que gerou o escândalo da Nossa Caixa também é mencionado pelos americanos (06SAOPAULO350) que se mostraram confusos com as acusações.

“De qualquer forma, dada à reputação ilibada de Alckmin, seria estranho para ele ter que se desviar com uma desculpa do tipo ‘todo mundo faz isso’”, observam os americanos.

O programa do candidato tucano é detalhadamente descrito em telegrama de 3 de julho de 2006 (06SAOPAULO734). Nos comentários, o observador político do consulado americano de São Paulo cita uma de suas fontes (esta não-identificada).

“O problema de Alckmin é que, como um médico de interior, ele não sabe pensar grande”. A alusão à indisposição de alguns membros do partido do candidato vai mais longe em uma comparação. “Além disso, como anestesiologista, ele sabe como preparar o paciente para a cirurgia, mas está acostumado então a sentar-se e deixar alguém fazer o trabalho duro enquanto ele se satisfaz checando os sinais vitais”, cita o telegrama.

FHC e as esquerdas na América Latina – Diplomatas americanos ainda estiveram no seminário “A política externa brasileira para a América do Sul no período recente: balanço e perspectivas”, realizado no Instituto Fernando Henrique Cardoso (06SAOPAULO516).  O evento contou com a presença do ex-ministro de FHC Sérgio Amaral, o ex-embaixador brasileiro nos EUA, Rubens Barbosa e o economista da PUC-RJ, Marcelo Paiva de Abreu.

O encontro, mediado pelo ex-presidente que dá nome à instituição, criticou a proximidade que Lula vinha mantendo com os vizinhos esquerdistas. Para os interlocutores, havia uma “esquerda positiva” na América do Sul identificada pelo Chile de Michéle Bachelet, e uma “esquerda negativa” constituída pelo boliviano Morales, o argentino Néstor Kirchner e o venezuelano Hugo Chávez. “As visões expressadas no painel não estão fora da perspectiva vigente da elite do Brasil”, comenta o telegrama.

Kassab – Outro partido da oposição que teve encontros com diplomatas americanos foi o atual DEM, com quatro políticos participando de reuniões. Além dos já mencionados Cláudio Lembo, José Carlos Aleluia e o falecido Antônio Carlos Magalhães, o então vice-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (06SAOPAULO102).

No encontro reportado no telegrama de 1 de fevereiro de 2006, Kassab, que atualmente negocia uma saída do DEM com partidos aliados do governo, via a aliança entre PFL e PSDB na disputa eleitoral como sendo “natural e legítima” e acreditava que o nome de Jorge Bonhausen seria o mais apropriado para ser vice na chapa da oposição. Para ele, Serra era o melhor candidato que o PSDB poderia lançar. O cable observa que algumas de suas fontes sugeriam que Kassab não tinha experiência para governar São Paulo. No entanto, notam sua importância dentro do PFL àquela época.

“Enquanto Kassab mantém-se discreto, ele é um homem hábil dentro de seu partido e muito próximo de Bonhausen”.

Vitória tucana no RS – Tratando ainda sobre o principal partido da oposição, há um telegrama que sai da esfera da disputa presidencial e foca a vitória de Yeda Crusius no Rio Grande do Sul (06SAOPAULO1105) sobre o candidato do PMDB, Germano Rigotto.

Os americanos se mostram surpresos tanto com o fato da vitória da tucana, quanto pela expressiva quantidade de votos a Alckmin no estado. Lula teve 1,5 milhão de votos a menos que Alckmin em um estado no qual ele sempre teve a preferência entre os eleitores. Para os diplomatas, esta foi uma reação aos escândalos envolvendo o PT no primeiro mandato de Lula.

Garotinho – um telegrama (05RIODEJANEIRO1118) de 10 de junho analisa as perspectivas de Anthony Garotinho, pré-candidato presidencial: “Garotinho: a caminho da presidência ou um exilado da política?”. Para o cônsul  no Rio, se ele sobrevivesse ao escrutínio da justiça eleitoral, ele seria uma força política determinante. “E se a economia piorar, ou se os escândalos chegarema  Lula, ele pode vir a ser o mais bem colocado nas eleições”, escreve.

Documentos – eleições 2006

Já estão no ar, no site do WikiLeaks, os documentos sobre as eleições de 2006. São mais de sessenta documentos relatando encontros com políticos da situação e da oposição,  empresários, diretores de instituos de pesquisa e também análises sobre as tendências eleiorais.  Clique aqui para ver todos eles, em inglês.

Clique aqui para ver o documento em que ACM diz que, se eleito, Lula não iria governar. Aqui, para ver o documento em que Michel Temer, atual vice-presidente, critica as política sociais de Lula – e aqui para ver o documento em que ele critica PMDBistas que apoiavam Lula. Clique aqui para ver o relato segundo o qual Andrea Matarazzo disse que o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, é da Opus Dei.